segunda-feira, 23 de julho de 2012

Complicado

Isto está complicado... Vejo o dia da consulta aproximar-se rapidamente e resultados nem vê-los!
A verdade é que não me tem apetecido fazer um grande esforço, e o que acontece às vezes até é saltar refeições.

Há cerca de 1 mês comprei um livro escrito por uma nutricionista chamada Ágata Roquette e que se chama A Dieta dos 31 Dias. O livro é muit engraçado pois ela mistura duas dietas, a de Atkins e a de South Beach. Ambas cortam muito nos hidratos de carbono, aumentam o consumo de proteínas (que mantém a sensação de saciedade) e valorizam o Índice Glicémico dos alimentos, devendo sempre se fazer a opção de consumir os de IG mais baixo. O melhor do livro é que ela dá as sugestões e o plano alimentar para cada dia, incluindo as receitas, o que é uma ajuda. E essas dieta, a própria refere que a fez e faz ainda, não dá fome.
O principal é que de 7 em 7 dias temos direito a 1 dia da Asneira!

Vou levar esse livro para a consulta, e se calhar perguntar à minha nutricionista o que ela acha de eu tentar fazer essa dieta depois do verão, uma vez que a fruta de verão é muito complicado de deixar.

É porque a trabalhar sinto fome, muitas vezes nem tenho horários compatíveis com intervalos regulares de refeições. Não sei o que fazer... Mantenho o mesmo peso, devo ter perdido 500g desde a consulta!

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Injustiças

Hoje apeteceu-me escrever sobre outras coisas que não corpo e alimentação.
Hoje apetece-me desabafar porque me sinto aborrecida, abatida e desiludida com o mundo.
As pessoas desiludem-me diariamente. Porque será que estamos rodeados de pessoas maliciosas e, não havendo expressão melhor, nojentas?! É que não há outra palavra para descrever o meu asco contra esse tipo de gentinha, que só está feliz quando acha que é palhacito e se ri e goza, e pior ainda, faz escárnio dos outros. Gentinha que se acha mais perfeitinha que o mundo inteiro, dona da razão, da moral e da virtude. Aquela que se acha no direito de atirar a primeira pedra, mesmo que o réu seja inocente... Aquela gente que acha que só o seu gosto é bom gosto.

Acho seriamente que sou boa demais para este mundo, sensível de mais com os problemas dos outros... Não por aquilo que faço ou digo, ou até o que sou, mas sim porque respeito. Tenho o maior respeito por tudo... Pelas pessoas, animais, plantas, natureza, ambiente, amizade, amor, liberdade de escolha e de expressão (q.b. a partir do momento que não afecte a liberdade dos outros).

Não percebo a vida dessa gentinha que me rodeia, que se preocupa com coisas banais, que são egocêntricas e que só querem o melhor para si, e para si, as coisas mais banais e desnecessárias do mundo.

Tenho esse desgosto, de muitas vezes na minha vida, ter sído e ainda ser, vítima dessa gentinha desprezível. Gente que em nada é melhor do que eu, nem em personalidade, nem de coração.

Eu não sou perfeita, mas não me incluo nessa gentinha, isso é certo. E quem me conhece sabe que é assim. Quem gosta de mim assim, fica e fica para sempre.

Ao pé dessa gentinha eu sou digna e merecedora da felicidade e do bem-estar.
Essa gentinha não frequenta a minha casa, essa gentinha nem me dirige mais a palavra porque eu não quero, e como não sou perfeita, não perdoo ofensas, nem a mim, e muito menos aos meus próximos.

Ver alguém aguentar uma gargalhada por causa de uma escolha banal que outra pessoa fez, para mim é despresível e enoja-me. E revolta-me tanto que eu só queria ter forças para lhes partir a cara de todas as vezes que tivessem atitudes dessas.

Estou rodeada por essas pessoas... Duas delas tenho de ver numa base diária por necessidade, e há muitos meses eu tento fingir que suporto, mas que cada vez é mais difícil de suportar. Magoam-me ao ser assim, fúteis e gozonas, falsas. Pobres e inocentes vítimas dessa gentinha.
Eu não os suporto, eles fazem-me infeliz. Nem imagino o que dizem de mim nas costas (até imagino, vá!).
Há uma terceira pessoa, mas com essa eu nem sou obrigada a conviver.

Gentinha, só espero que neste mundo as más energias que vocês transmitem, vos sejam devolvidas.

Tenho dito!